A Odisseia de Penélope

O que teria a desafortunada Penélope a dizer sobre a sua vida como realmente foi? Tudo o que sabemos são rumores e histórias sempre contadas por outros, por isso chegou a vez de as ouvirmos na primeira pessoa.

Margaret Atwood

⭐⭐⭐

Ver este livro na Bertrand

Um grande clássico estudado em Literatura por todo o mundo, a Odisseia de Homero precisa de constantes observações à luz da época em que é lida. É precisamente isso que Atwood se propõe fazer, ao trazer-nos uma história encarnada pela personagem de Penélope, esposa do herói da narrativa, Ulisses, que no mundo dos mortos fala connosco.

Se em vida, na Odisseia, a pobre mulher não se pôde defender de rumores e boatos porque nunca lhe foi dada voz na obra, é na morte que Penélope nos conta a sua versão dos factos.

Com ironia e sem meias palavras, Penélope narra-nos uma outra versão dos acontecimentos que a marcaram ao longo da vida enquanto esposa e presumida viúva do herói da guerra de Tróia.

Sem receio de expor o que realmente pensa, fala-nos do caráter de Ulisses aos seus olhos, das más decisões que o marido tomou antes e depois da guerra de Tróia, da estrutura social que abomina e onde à mulher não se permitem nem os luxos nem o perdão dos homens, dos pretendentes que perseguem a sua riqueza, da família que detesta, do desprezo pela narcisista prima Helena, dos arrependimentos e das mágoas que no além se mantêm.

É curioso ler o que alguém pensa e sobre o que reflete no pós-vida, percebendo o que realmente valoriza e o que não passou de perda de tempo, quem foi bom ou ruim para si em vida e o que se teria feito de forma diferente.

O único ponto negativo neste livro é o facto de precisar de mais contexto para entender, minimamente, a história – convenhamos, mesmo quem teve de ler o poema épico de Homero, possivelmente fê-lo na diagonal…

É preciso investigar um pouco mais sobre esta epopeia antes de ler A Odisseia de Penélope, por forma a conhecer as personagens, os mitos e ações principais que aqui são incluídas e narradas numa outra perspetiva. Só assim se entende e se constrói uma reflexão sobre esta leitura.

Deixe uma Resposta

Please log in using one of these methods to post your comment:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s