Retrospetiva de 2020

Com o ano a terminar, chega a altura de fazer uma retrospetiva de 2020 e preparar o que aí vem. Aqui ficam algumas “lições” que retive, um resumo das leituras que fiz e ainda os objetivos que traço para 2021.

Lições de 2020

  1. Mais vale fazer do que esperar para fazer bem. A verdade é que perdi várias (e boas) oportunidades de lançar projetos cá para fora porque achei que havia sempre algo em falta – ou para começar ou para aperfeiçoar. Resultado? Alguém o fazia primeiro e eu ficava “a ver navios”.
  2. Tudo se aprende e aperfeiçoa. Falhar é importante! Este ano deu-me oportunidade de tirar várias ideias do papel, o que – forçosamente – também trouxe uma dose de realidade bem necessária: há falhas que ocorrem, detalhes a corrigir, sempre algo que podia ser diferente. A melhor parte? Há espaço de manobra para aprender, crescer e transformar tudo.
  3. Acompanhar os exemplos é a chave. É certo que ninguém vai inventar a roda, mas muitas novidades nascem a partir de bons exemplos que trazem inspiração. Para quem, como eu, pretende lançar os seus projetos cá para fora, um dos conselhos que dou é acompanhar exemplos e ouvir a comunidade onde se vão lançar. Só assim se cria algo relevante e enriquecedor para todos.

Leituras de 2020

Propus-me ler 28 livros e, ao contrário do que aconteceu em 2019, alcancei e ultrapassei em quase 10 essa meta. Foi um bom ano de leituras, onde conheci novos autores e até comecei a gostar de ler sagas – coisa que antes me aborrecia tremendamente.

Apesar de ler um livro de José Saramago por ano, em 2020 isso não aconteceu: tinha O Ano da Morte de Ricardo Reis “pendurado” há uns bons meses e não o terminei ainda – o ritmo da narrativa é semelhante ao estoicismo da personagem…

Fiquei fã dos primeiros livros de A Amiga Genial, da misteriosa Elena Ferrante, e saí desiludida de Normal People, da irlandesa Sally Rooney, que tão aclamado foi em 2020.

Total de livros lidos (até à data): 36
Autores lusófonos lidos: 7
Livros de ficção lidos: 29
Livros de não ficção lidos: 7
Livro que mais gostei: História do Novo Nome (Elena Ferrante)
Livro que menos gostei: Normal People (Sally Rooney)

Objetivos para 2021

Para mim, é importante delinear alguns objetivos e metas para o próximo ano. Assim consigo visualizar algumas ações e organizar as minhas intenções. Só com foco e planeamento consigo concretizar algo “com pés e cabeça”.

  1. Dar prioridades aos livros que estão em casa para ler, antes de comprar mais.
  2. Criar oficinas de escrita e de leitura com regularidade.
  3. Ler mais livros de não ficção.
  4. Levar a leitura a um público mais novo, com atividades.
  5. Dinamizar um clube de leitura interessante e estável.

Esta é a minha retrospetiva de 2020 e algumas linhas orientadoras para 2021. E tu? Já avaliaste o teu ano? O que vem aí no próximo? Conta-me tudo.