Nas pontas dos meus dedos

Num tempo em que tudo era simples, a minha alma dançava com naturalidade sobre as teclas, fazendo curvas invejáveis, tolas e completamente autênticas naquele ecrã brilhante. Deixava a mochila à porta e galgava as escadas, como um gato trepa, ansioso, qualquer obstáculo.  Deixava-me sentar na cadeira gasta, que ocupava grande parte do pequeno quarto da … Continue a ler Nas pontas dos meus dedos